Recomeçar do zero

Olá malta fantástica e maravilhosa!

Tenho dado por mim a pensar nesta frase que, muitas vezes se diz como forma de assinalar um recomeço.

A questão que me surge é: será que começamos mesmo do zero? Já paraste para pensar sobre este ponto?

Ora, esta reflexão surge porque reiniciei os treinos de Crossfit de forma consistente e, logo nos primeiros dias percebi “Nunca recomeçamos do zero”.

Passando a analogia para a vida em geral… Sim, podemos deixar para trás o que é físico e material – a casa, as roupas, os objetos. Podes até deixar pessoas. E também podes deixar para trás pensamentos que não te acrescentam.

Mas, nunca recomeças do zero. Levas contigo aprendizagens que foram feitas, competências que foram desenvolvidas. Tens já uma bagagem [mesmo já só aproveitando o que é bom e libertando o que não te vai acrescentar valor] que irá orientar as tuas ações. Já sabes como fazer, que recursos usar, a quem recorrer.

Sim, haverá também muita aprendizagem e crescimento. Se estás a recomeçar será esperado que procures uma mudança, que procures superar o que já foste capaz. Normalmente um recomeço pode vir acompanhado com uma enorme vontade, determinação e foco para se fazer diferente ou melhor do que já se foi capaz de fazer [porque sabes do que és capaz porque já o alcançaste anteriormente].

O que é que o Crossfit tem a ver com isto e porque me lembrei desta reflexão sobre “recomeçar do zero”? Porque esta semana recomeçaram os treinos de Crossfit no seu formato normal, no ginásio.

Foi um recomeço, sem dúvida. Não só da rotina propriamente dita mas também da própria dinâmica de treino. Senti, e penso ser comum a mais colegas que estiveram mais condicionados em termos de treinos neste período [de confinamento] que…não recomeçamos do zero apesar de ser necessário dar um ou dois passos atrás em relação ao que já tínhamos sido capazes de fazer.

Sim, alguns exercícios pediram uma redução no que respeita ao ritmo ou à carga [em relação ao que já tinha conseguido fazer anteriormente] mas as competências, as aprendizagens, os conhecimentos…esses continuam lá…e fazem com que o recomeço não seja, efetivamente, do zero.

Se estás numa fase em que sentes que precisas de recomeçar:

  • Avalia o que interessa manter
  • Liberta o que não acrescenta valor
  • Procura apoio de quem já fez o percurso que queres começar
  • Usa a teu favor as aprendizagens que fizeste para recomeçares como efetivamente queres
  • Aplica as tuas competências – aquelas que te ajudam a chegar onde queres chegar

Lembra-te, a mudança acontece um passo de cada vez.

Até breve,

Mariana

5 passos para alcançares os teus objetivos

Estás a definir objetivos que são realmente o que queres para a tua vida? Ou estás a seguir a corrente do que parece giro moda ou interessante? Estás efetivamente no controlo da tua vida ou entraste na roda do hamster e nem deste conta?

Na roda do hamster, Mariana? Sim, por vezes entramos no modo automático de vida. Vamos seguindo ao sabor da corrente e nem nos apercebemos para onde estamos a ir. Nunca te aconteceu?
É como entrar numa roda de hamster e achares que estás a avançar imenso e na verdade não estás a sair do sítio. Yep! Been there, done that!


Vamos então ver alguns pontos que podem ajudar-te realmente a traçares e alcançares os objetivos que queres, de forma consciente. Não vou entrar aqui nos pormenores técnicos dos objetivos.

Apenas em modo superficial reforçar que deves ter presente quando crias um objetivo:

  • que este seja específico (definires exatamente o que queres),
  • que possas medir (definir a quantidade, o valor, o número concreto),
  • que seja alcançável (suficientemente ambicioso mas viável de ser alcançado no prazo e tendo em conta os recursos que o tens disponíveis).
  • que seja relevante (estar alinhado com os teus valores e a vida que queres viver).


Há vertentes que definem que o objetivo bem definido deve ter um prazo específico aqui tenho uma visão um pouco diferente que partilho numa próxima oportunidade. Sim, é importante ter um prazo que te oriente e, sim, para alguns objetivos há mesmo prazos concretos a considerar. [falaremos deste ponto noutra altura]


Vou agora partilhar o que na minha perspetiva pode fazer diferença para viveres a vida que queres… traçando objetivos concretos.


Então o primeiro passo será:

1 – Saber o que queres alcançar.

Andar à deriva de vez em quando também sabe bem e faz falta mas é importante ter um farol que nos guia e oriente o caminho. Teres presente o que queres e o que não queres na tua vida é parte desse farol. Sabes o que queres de verdade na tua vida? Nas diferentes áreas da tua vida? Repara, terás objetivos mais grandiosos e assustadores e outros possivelmente à “distância de um braço”. Os objetivos que vais definir devem ser os que te fazem criar a vida que queres viver e efetivamente começar a vivê-la.
[Que frustração será passar uma vida a deixar de viver para alcançar o grande sonho e olhar para trás e ver o que se deixou de viver! Já pensaste sobre isto?]
Que objetivos e sonhos são esses? Passa-os para o papel … agora mesmo!

2 – Porquê?

Porque é que é importante para ti alcançar esses objetivos? Como te vais sentir quando o fizeres? Que impacto terá na tua vida e na vida dos que te rodeiam? O caminho nem sempre vai ser fantástico e um mar de rosas. A vida continua e há obstáculos, desafios, frustrações…Este “porquê”, e tê-lo bem presente vai ajudar-te a manter o foco e a motivação quando te sentires a ficar perdida. Isto leva-nos ao ponto seguinte.

3 – O que precisas fazer para o alcançar?

Bem, sabemos que é necessária a ação para que haja resultados, portanto será necessário que ponhas a mão na massa. Para os objetivos maiores e a mais longo prazo é importante e facilita imenso o processo definires metas intermédias. Ou seja, estabelece os passos que são necessários para chegares ao objetivo final. Nesta fase vais definir as ações e hábitos concretos que vais implementar e te vão conduzir passo-a-passo ao objetivo final. Teres estas metas intermédias vai ser também muito útil para avaliar o teu progresso e saberes se estás no caminho certo. Vê o ponto seguinte.

4- Como sabes se estás no caminho certo?

Ora, para saber se estás no caminho que pretendes é necessário que…avalies! Exatamente! É importante que cries momentos regulares de avaliação e planeamento. Fazendo esta avaliação consegues perceber o progresso que estás a fazer, o que está a funcionar, o que precisa ser alterado. É um momento para refletir no porquê e perceber se estás no caminho que realmente queres… E não na roda do hamster (acredita! é muito fácil entrar na roda do hamster sem dar conta). Os momentos de avaliação podem ser ajustados de acordo com o objetivo e o timing. De uma forma geral, poderá ajudar a manter o foco se fizeres avaliações regulares – semanais, mensais, trimestrais…
O último ponto que quero deixar nesta partilha é:

5 – Procura ajuda e/ou inspiração de alguém.

Por vezes (diria sempre), é bem mais fácil se tivermos apoio, orientação, dicas de quem já percorreu o caminho que estamos a percorrer. E porquê? Porque essas pessoas já cometeram erros que te podem ajudar a evitar. Já desenvolveram estratégias e competências que te podem ajudar a chegar mais rápido onde queres. Porquê cometer erros repetidos se podemos aprender e ter inspiração de quem já alcançou? Se não for alguém que já fez o caminho que queres fazer, que seja alguém que te motive e te ajude a manter focada e recorde do caminho do teu porquê. O LifeGym surgiu, também, para dar resposta a este ponto. Teres uma comunidade a fazer o mesmo caminho que tu… esse caminho de criar uma rotina que serve a vida que queres viver!


Foi útil esta partilha? O que já fazes e o que achas que podes melhorar para começares a viver a vida que realmente queres?

O que deves saber se vais iniciar no Crossfit

Olá malta fantástica!

Escrevo este texto para ti que te estás a iniciar no mundo do Crossfit (e, no fundo, para ti que te estás a iniciar em algo novo). Escrevo, também para mim. Para me recordar onde comecei, para me lembrar que houve tempos em que tive algumas (muitas, bastantes) dificuldades a completar o que me era proposto.

Sim, porque sei que daqui a uns meses não estarei, seguramente, onde estou agora…e muitas vezes desvalorizamos o percurso e conquistas feitas.

Antes de te falar de alguns pontos importantes a considerares se estás a começar a tua experiência no crossfit quero partilhar muito resumidamente como começou esta aventura.

No dia em que te escrevo é o meu 15º treino. Passaram 20 dias desde o primeiro dia em que entrei na box para fazer um treino de experiência. Sabes, desde que conheço o crossfit (não é coisa com muitos anos para mim) que disse que era um desporto que queria praticar…ou pelo menos experimentar uma aula que fosse. É o tipo de prática desportiva que me entusiasma pois faz com que me queira superar a cada dia, a cada treino. E cá estou…super empolgada com esta nova etapa que, em tão pouco tempo já me trouxe tanto de bom (um destes dias partilho, queres?)

Então, o que deves considerar se estás a começar?

Avança e faz uma aula experimental!

Escolhe uma prática que te apaixone

Diria que todos os espaços dão esta possibilidade de experimentares pelo menos uma aula. Faz essa experiência para teres a certeza que é a atividade a que realmente queres dedicar o teu tempo. É importante que seja algo que te apaixona e tenhas vontade de fazer verdadeiramente. Se é algo forçado e que não te dá o entusiasmo de saltar da cama (ou sair do trabalho ao final do dia…ou seja lá o que estejas a fazer nos momentos antes de ir para o treino)…se não tens esse entusiasmo então possivelmente não é a atividade certa para ti!

Teres esta experiência vai também dar-te a possibilidade de conhecer o espaço, os equipamentos usados, os cuidados que são tidos (neste momento em que escrevo este texto estamos a passar uma pandemia que exige higienização e cuidados adicionais – se estiveres a ler este texto daqui a uns 20 anos pergunta aos teus pais ou avós do que falo – emojis vão fazer-me falta neste texto).

Vais também ter possibilidade de perceber as dinâmicas de treino, os colegas com quem vais treinar e o treinador.

Sim, identificares-te ou não com o treinador, com a forma como transmite os exercícios, com a forma como te incentiva e como te orienta para melhorares a tua prestação pode fazer toda a diferença. É certo que pode não ser num treino experimental que ficas a perceber…mas…bem, diria que percebes se tiveres intuição para a coisa.

Fazer uma aula experimental na Mean Machine Crossbox foi das melhores decisões que podia ter tomado (um dia destes conto-te como foi…queres saber?)

Não compares o teu início com o meio do outro

Este é um grande erro que pode ocorrer. E é daquelas aprendizagens que podes levar para outras áreas da tua vida (seja no crossfit, seja no novo emprego, seja na equipa de vendas a que te juntas…). Lembra-te “o mentor já foi em algum momento aprendiz”.

Podem haver momentos em que pensas que nunca vais conseguir estar ao nível dos teus colegas de tão avançados que já vão e tu ficas qual batata a sentir que nem vale a pena continuar! (Partilho esta perspetiva pois sei que é muito comum. A este nível tenho já ferramentas a nível de mindset e reprogramação do pensamento que me permitem não ter este pensamento mas sim o que vou partilhar mais abaixo contigo e que deves ter também)

ALTO!!! Sim, os teus colegas, aqueles que já lá andam há alguns meses e há alguns anos é natural que tenham desenvolvido competências nesse tempo. Competências que tu vais começar a desenvolver agora! Portanto, sim é normal que no início te vejas e desejes para pegar numa desgraçada de uma barra de 10kg quando à tua volta todos ostentam pesos de fazer inveja (ou medo!) Sim, é normal que no início te vejas desgraçada para fazer 3 wall ball shots com uma mísera bola de 3kg (qual mísera qual quê!) quando à tua volta todos têm nas mãos bolas de 6kg no mínimo. Ah!!! Também vais ficar de cabeça à banda com tanto nome para cada movimento e exercício diferente. Está tudo bem…espera que todos comecem e faz igual! Ahahahah (been there, done that!)

Aquela barra de 10kg que parece pesar 1 tonelada

Yep…é normal que te desmanches toda, que descubras músculos que não sabias existirem e que tudo pareça imensamente desafiante. Sim, estas breves descrições são as minhas próprias vivências…porque sim, é perfeitamente normal começares do nível onde estás e não de onde estão os outros.

E, sabes…se estiveres a dar tudo o que tens, a dar o teu melhor e a querer melhorar a cada dia…então estás no caminho certo!

Não te compares com ninguém

Outra vez arroz Mariana?

Eu sei, pode parecer um ponto muito similar ao anterior. Aqui o que te quero dizer é SUPERA-TE… a ti própria. A fazeres comparações, que seja contigo própria. Aliás é conveniente que o faças – faz um registo do que vais sendo capaz de fazer para perceberes a evolução. Mais uma vez, falo por experiência própria (não fiz registos até ao momento. Sei que já evoluí em certos exercícios mas, por vezes, esta perceção não fica muito clara).

É muito fácil esquecermos as conquistas que vamos fazendo se não anotarmos. A evolução acontece e como são progressos, por vezes, tão subtis podem, facilmente passar despercebidos e ficares com a sensação que “não sais da cepa torta!”.

Onde estou a treinar é utilizada uma app que permite ir fazendo esses registos a cada treino, que podes consultar e ir comparando os resultados em relação ao que fizeste anteriormente.

Os colegas de treino podes tê-los como referência, como inspiração daquilo que um dia também poderás fazer (só depende de ti, do teu foco, do teu empenho). Aliás, se estiveres num espaço com o ambiente que vivemos na Mean Machine Crossbox rapidamente percebes que há um espírito de equipa e vais ter e sentir o apoio dos colegas. Sabes aquele incentivo que ouves de fora e dás o que tens e o que não tens…Bem, pelo menos comigo ter esse apoio é um boost – ou vai ou estatelo-me ao comprido no chão! (eh pá, como eu gostava de conseguir pôr emojis neste texto).

Ah! E vais mesmo evoluir a cada dia mesmo sem dares conta. E, falando da experiência na Mean Machine, vais ter sempre o apoio e orientação do treinador. Sim, no início vais ter muitos movimentos a corrigir, alguma técnica a desenvolver (ahahahaha…”alguma”)… e o treinador vai lá estar! (com paciência de santo!)

Compromisso e disciplina

Duas palavras chave do trabalho que faço com a malta fantástica do grupo de Mentoria. Sim, vão haver momentos que vais duvidar se és capaz – e em muitos desses momentos até podes mesmo não ser…e está tudo bem! Mantém sempre presente…é um percurso que vais fazendo e a evolução acontece passo a passo. Ajusta ao teu ritmo e avança a partir daí.

Mantém o compromisso contigo própria de quereres cuidar de ti. Fazer exercício físico é cuidares de ti. Recorda o primeiro ponto…será tão mais fácil manteres o compromisso quanto mais estiveres realmente apaixonada pelo que estás a fazer e a fazer com vontade real de aprender mais, de evoluir e de te superar a cada treino.

Uma das melhores decisões que considero que tomei na fase inicial foi ter ido treinar diariamente. Sim, vou todos os dias e penso que esse fator teve uma grande influência. Após os primeiros treinos doía-me tudo!!! Mesmo tudo! Sentia as pernas a parecerem gelatina a cada passo que dava. Sempre que pensava em subir ou descer escadas garantia que fazia as deslocações mínimas possíveis (ria-me sozinha de cada vez que tinha que descer ou subir as escadas).

Lembro-me de, ao terceiro treino, ter pensado contactar o treinador a perguntar se seria boa ideia ir treinar tal era o estado em que sentia os músculos. (Sim, parecia que os músculos iam rasgar a qualquer momento) Partilho isto porque podes estar na mesma posição e quero que saibas que é normal. (Bolas, fazem mesmo falta os emojis)

Aqui entra também a disciplina. Os primeiros treinos são, sem dúvida os mais desafiantes no que respeita a criares a disciplina necessária. É muito fácil achar que é muito difícil, que não vamos conseguir ir todos os dias e suportar a “carga de porrada”. E, com isto, deixar de ir ou ir só quando apetece ou quando te lembras que pagaste a mensalidade e a meio do mês ainda não puseste lá os pés! (oh pá, continuo a achar que preciso de emojis neste texto).

Teres disciplina é fazeres o que tem que ser feito apesar do que quer que seja! É ires ao treino mesmo quando chove e a cama está quentinha. É saíres de casa quando o que apetece mesmo é ficar a ver aquela série que ia mesmo agora começar. É organizares a tua rotina para te deitares a horas que te permitam ter uma boa noite de sono para estares preparada para o treino pela manhã. É enfiares o equipamento no saco e seguires direta do trabalho. É ires e fazeres…assumindo o compromisso (contigo própria)!

Sim, também está tudo bem se não tiveres oportunidade de ir todos os dias. Garante que fazes algum tipo de exercício/movimento do corpo nesses dias. Mas não te permitas “falhar” duas vezes seguidas!. (É um assunto que vou explorar mais por cá…esta questão de como integrares novos hábitos na tua rotina)

Bem…se estás a ler este texto antes de te iniciares no mundo do crossfit não te assustes 🙂 É fantástico e vai permitir-te crescer (não falo dos músculos nem da altura, ok?) Sim…praticar exercício físico de forma comprometida dá-te a possibilidade de desenvolveres competências que vão muito além das físicas.

Também te quero descansar e deixar claro que ninguém dá porrada a ninguém! 🙂 (só tu a ti própria…e que bem que sabe sair do treino com aquela sensação de que deixaste lá tudo…às vezes até te vais interrogar se terás lá deixado as pernas ou os braços!)

Escrevo também este texto, sabendo que daqui a uns meses voltarei cá para te deixar uma atualização. Sabendo também que daqui a uns meses serei eu a colega que ajuda e incentiva quem, como eu agora, está a começar (ao mesmo tempo que continuo o meu próprio percurso de crescimento). E vou adorar receber-te e fazer esta caminhada contigo!

[Ah…não sei mas quase garanto que as dores, os músculos que aparecem em sítios que nem sabíamos que era suposto ter músculo, os exercícios que nos deixam de rastos, os desafios a serem superados, o ficarmos completamente ko…vai continuar! Porque vais ter sempre margem para evoluir, para te superar, para elevares a fasquia que crias para ti. (sou só eu a prever. ahahaha)]

Diz-me…já fizeste ou tens como objetivo ter uma experiência no crossfit? Quais são os teus maiores receios e limitações?

Não sei se dá para perceber mas estou verdadeiramente entusiasmada com esta experiência e vou adorar partilhar mais contigo e ajudar-te também neste percurso! Vamos a isso?

Beber água ao acordar

Olá malta fantástica!

É sabido que beber água é um dos hábitos que devemos ter na nossa rotina diária. Também é sabido que é um grande desafio para algumas pessoas. [eu sou uma delas].

Um dos hábitos que tenho integrado na minha rotina para me ajudar a beber mais água é começar o dia bebendo um copo de água [vá, na verdade, uso uma garrafa que fica junto à cama para ser mais prático].

Porque é que beber água acordar te pode ajudar e quais são os seus benefícios?

Já conhecia alguns dos benefícios mas quis ir mais além e fui pesquisar os efeitos de beber água ao acordar. [atenção: as indicações são tendo por base pessoas saudáveis sem quaisquer condicionantes de saúde. Procura sempre orientação médica se tens alguma condição específica]

  1. Repões a água perdida durante a noite.
  2. Começas o dia já com um bom copo de água que te dá o mote para continuares a beber ao longo do dia. (sim, é muito fácil ir adiando e quando damos conta é final do dia e só bebemos a água das refeições)
  3. Limpa toxinas do organismo.
  4. Ajuda o intestino a começar a funcionar
  5. Melhora o funcionamento dos rins (uma forma de perceberes se estás a beber a quantidade de água necessária é pela cor da tua urina. Se for escura pode ser sinal de falta de água)
  6. Se praticas desporto é uma forma de prevenir caimbras
  7. Ajuda a perder peso pois aumenta a sensação de saciedade.
  8. Ajuda a manter a pele tonificada e hidratada.

Há diferentes versões e variantes e deves procurar a que melhor funciona para ti e para o teu organismo.

  • Idealmente a água será bebida a temperatura natural ou morna
  • Podes adicionar sumo de limão e, desta forma, estares já a contribuir com uma dose de vitamina C
  • Podes fazer outro tipo de águas aromatizadas a gosto para ser mais fácil beberes.
  • Há aromatizantes naturais com eletrólitos que podes usar para dar um boost à tua água e beberes quando fazes exercícios mais intensos.
  • Podes beber chás sem açúcar (não queres criar um bom hábito tendo por base um mau, certo?)
  • Beber mais água não é beber em excesso. Água em excesso também é prejudicial! Indicações referem cerca de 40ml de água por cada Kg da pessoa. Não te assustes…começa com pequenos passos e avança a partir daí!

Beber água é realmente um pequeno passo na tua rotina diária com um grande impacto. Começares o dia com um copo de água é uma excelente forma de dares um importante primeiro passo para teres a quantidade de água necessária ao longo do dia (além de todos os benefícios que falei acima).

Sim, pode parecer desafiante. Tudo começa com um pequeno passo, com disciplina e algum planeamento.

Porque falo em planeamento no que toca a beber água? Há alguns pormenores que podes ter em consideração para que este hábito seja mais fácil de integrar e se torne efetivo.

  1. Começa os preparativos na noite anterior e garante que colocas um copo ou garrafa de água na tua mesa de cabeceira para beberes assim que acordas (se não tens o hábito será mais fácil se já tiveres tudo à mão)
  2. Bebe pequenos goles assim que pões os pés fora da cama (algumas pessoas têm mais dificuldade em beber água logo de manhã. Começa aos poucos). Bebe o restante assim que conseguires (antes do pequeno almoço)
  3. Para beberes mais água ao longo do dia mantém perto de ti uma garrafa e bebe sempre que te lembres.
  4. Se não és pessoa de te lembrar de beber água experimenta colocar um lembrete no telemóvel ou até usar apps para o efeito.
  5. Sendo possível enche várias garrafas e coloca em diferentes pontos da casa. Bebe um pouco sempre que olhas para uma dessas garrafas (nem que seja só um golinho).
  6. Outra opção é sempre que te lembrares de beber…bebe o máximo que conseguires…e insiste mais um pouquinho (não se sabe quando te voltarás a lembrar de beber).

Não é suposto ser um mega sacrifício. Pode ser desafiante se estás a começar…vai aos poucos. O objetivo é criar um hábito saudável, não algo que faça mais mal que bem. [volto a ressalvar…considera condições de saúde específicas de saúde que tenhas e que possam não ser compatíveis com a ingestão de água pela manhã].

Como disse no início, também é para mim um desafio beber a quantidade de água necessária ao longo do dia. Tenho usado algumas destas estratégias para implementar este hábito de forma gradual e posso dizer que os resultados são muito positivos!.

Já tens este hábito ou é algo que queres melhorar? Usas alguma destas estratégias?

Como manter o espírito positivo?

Olá malta fantástica!

Muitas vezes me dizem “Mariana adoro falar contigo, tens sempre uma perspetiva positiva de ver as coisas”.

Não vou negar que fico muito feliz por ouvir este tipo de comentário. Sim, é isso que procuro transmitir e, acima de tudo…viver no meu dia a dia.

E em relação a este tema quero partilhar contigo alguns pontos que podem ser importantes teres presentes para te ajudarem também a teres uma perspetiva mais positiva sobre o que te acontece ou acontece à tua volta.

Vamos a isso?

  1. Muito importante deixar claro já à partida: não estou 100% do tempo 100% positiva. Há momentos em que apetece desistir, em que questiono se realmente vale a pena ou até que me indigno com alguma situação. O que mudou nos últimos anos em relação a este ponto? São momentos, breves momentos…não é um estado de espírito constante ou presente no meu dia a dia. Nestes momentos, paro e uso ferramentas que me ajudam a recentrar no que realmente importa.
  2. Entende que há aspetos que é possível controlar (que nos são intrínsecos e sobre os quais temos poder de agir) e outros que nos são externos e pouco ou nada podemos fazer.
  3. O teu bem estar depende das tuas decisões e não das decisões ou opiniões dos outros. Podes ouvir, podes considerar ou simplesmente ignorar e seguir o que sabes ser o melhor para ti.
  4. Em todas as situações, por muito más que possam parecer (ou até mesmo ser) há algo a retirar como aprendizagem. Pode não ser evidente no momento ou podes não estar preparada para receber essa aprendizagem…mas ela está lá.
  5. O nosso cérebro é tramado e no que mais focamos a nossa atenção é o que mais vamos receber de volta. Se nos focamos que está tudo mal, que é tudo uma injustiça, que algo não está como achamos que devia estar…então iremos receber de volta a confirmação disso mesmo.

Só conseguimos ver e perceber aquilo em que acreditamos

Consideras que és uma pessoa com uma abordagem positiva perante a vida ou sentes que precisas e podes melhorar esse ponto?

É um caminho e uma aprendizagem. Se és uma pessoa com tendência a ter uma visão negativa da vida, que reclama por tudo o que mexe (mas ao mesmo tempo nada faz para mudar), que passa todo o tempo a lamentar-se e a lamentar as circunstâncias à sua volta…pode ajudar (vai ajudar com certeza) procurares adotar uma perspetiva mais positiva perante a vida.

O tempo que temos cá é demasiado limitado para o desperdiçarmos com queixas, reclamações e ficar à espera que as respostas venham cair no colo. Ou até perder tempo com questões que sabemos à partida que não vamos conseguir mudar de maneira nenhuma, por muita energia que lhe dediquemos. Se é algo que queres ver mudado então não uses o queixume, a reclamação, o “a vida é um inferno” ou “os outros (sejam eles quem forem) estão a fazer tudo mal”. Arregaça mangas, traça o que queres para ti, analisa o que está ao teu alcance controlar e avança…com foco no positivo, no que de bom podes, queres e vais fazer por alcançar da situação que tanto te indigna.

Adorava saber a tua opinião em relação a este assunto. Concordas com esta perspetiva ou vês as coisas de forma diferente? Como sentes que é a tua postura perante a vida…mais positiva ou mais negativa?

Ah!! Espreita lá no youtube o vídeo que saiu sobre este tema e deixa o teu feedback…vou adorar ler e responder!

Um beijinho enorme,

A Mariana.

No Excuses!

Partilho com vocês se ajudar a inspirar e a te fazer sair da tua zona de conforto!

Nós somos SUPER e podemos tudo o que quisermos, se quisermos! NO EXCUSES! Sim, há imprevistos, há dias chatos, difíceis, desafiantes…Não permitas que esses dias se repitam…dia após dia. Dá-te tempo se for preciso mas não te enganes a ti própria, não te dês desculpas! Se é realmente algo que queiras (seja o que for) encontra soluções, não cries obstáculos! Se num dia não consegues fazer 100, faz 50, faz 30, faz 10…e se fizeres 0 garante que no dia seguinte fazes 100 ou 50…mas faz!

“Pior cego é o que não quer ver…e ainda atira areia para os próprios olhos”

Esta foi uma frase que me ocorreu há uns dias e faz-me muito sentido, daí partilhar contigo.

Partilho para refletires, para teres presente e aplicares na tua vida pessoal e profissional! Assume o que queres para ti e honra esse compromisso contigo!

Bem sei que, quando falamos em mudança de hábitos, os resultados e a gratificação não é imediata. Sei perfeitamente que é muito fácil achar que não vale a pena porque aquele copo de água que bebeste não fez diferença nenhuma na tua saúde naquele momento …ou que aquela sequência de exercício não te fez perder peso ou tonificar os músculos…sei disso! Os resultados e a gratificação, quando falamos de bons hábitos, não são imediatos. Por oposição, hábitos menos bons dão gratificação instantânea. Já tinhas pensado nesta perspetiva?

Faz-te sentido esta reflexão? Já paraste para perceber que desculpas te estás a dar para não fazeres o que precisas para teres o equilíbrio que queres?

As Super Mulheres com quem trabalho sabem que sou “pica miolos” e é com carinho que te digo isto! Porque somos SUPER e merecemos cuidar de nós…um passinho de cada vez, sem desculpas!

Ingredientes tóxicos em cosméticos e produtos de higiene

Esta foto foi tirada 2 anos antes da escrita deste artigo, no momento em que comecei gradualmente a fazer a mudança e passagem para produtos mais naturais.

É estranho olharmos para um rótulo e não sermos capazes de identificar os ingredientes que os compõem.

Quando iniciei esta caminhada de perceber o que poderia fazer diferente para promover hábitos mais saudáveis e aumentar as minhas probabilidades de engravidar deparei-me com esta questão.

Usamos diariamente uma enorme quantidade de produtos nocivos e tóxicos para o nosso organismo. Desde que acordamos até que nos deitamos: o champô e gel de banho, o desodorizante, o creme hidratante, a maquilhagem…e continuamos a fazê-lo ao usar produtos de limpeza em casa.

Ora, porque continuam a circular? Por sinal alega-se que as quantidades presentes são mínimas…o que não é considerado é o facto de essas quantidades mínimas se encontrarem em todos os produtos usados pela maioria das pessoas. Imagina, usares 10 produtos diariamente ao longo de dos anos! A nossa pele é um orgão altamente permeável, o que significa que irá absorver tudo o que lhe pusermos em cima.

Se, por um lado, alguns efeitos do uso destas substâncias se traduzem em irritações, eczema, alergias ou fotossensibilidade, por outro lado os riscos maiores não são imediatos e alguns destes ingredientes estão associados a questões de fertilidade (entre outros)

Muitas vezes dou por mim a pensar “Porquê?”. Porque continuam a produzir produtos sabendo que são usadas substâncias prejudiciais à nossa saúde (e ao ambiente). Após uma breve pesquisa, percebi:

Então, quando começaram a aparecer os primeiros cosméticos estes ingredientes foram essenciais para obter os resultados esperados. Mesmo após se perceber e associar estas substâncias a problemas de saúde…essas substâncias continuam a ser usadas. São usadas para conservar, para dar cor, textura, cheiro, para fazer espuma…

Na busca de mais informação sobre o tema cruzei-me com este vídeo que me parece explicar muito bem como funciona esta industria. Espreita abaixo e tira as tuas próprias conclusões.

Porque sei que pode ser um “bicho de sete cabeças” decifrar a lista de ingredientes nos rótulos dos produtos, deixo aqui uma lista de alguns a evitar!

FTALATOS

Para identificares no rótulo: DBP, DEHP, DIDP, FRAGANCE, PARFUM, DEP OU PHTHALATE.

FORMALDEÍDOS

Para identificares no rótulo: DMDM HYDANTOIN, FORMALDEHYDE, IMIDAZOLIDINYL UREA, GLYOXAL, SODIUM HYDROXYMETHYLGLYCINATE, DIAZOLIDINYL UREA, POLYOXYMETHILENE UREA

PARABENOS

Para identificares no rótulo: METHYLPARABEN, ETHYLPARABEN, BUTYLPARABEN ou outro componente terminado em PARABEN.

ALUMÍNIO

Para identificares no rótulo: ALUMINIUM, CHLOROHYDRATE

A lista é imensa! Para te ajudar a teres sempre a mão criei uma lista de ingredientes (estes acima e mais uns quantos) que deves evitar nos produtos que usas diariamente. Junta-te ao nosso grupo Exclusivo para teres acesso a todos estes conteúdos!

Como descobri o mundo da aromaterapia…

Renova-te… de dentro para fora.

Daí, a aromaterapia ser um complemento, parte de uma alteração gradual de um estilo de vida

Descobri o mundo da aromaterapia quando procurava uma “solução” para o facto de ainda não ter conseguido ser mãe. Sim, eu sei, não há soluções milagrosas mas tinha a certeza que haveria algo mais que poderia fazer para melhorar “de dentro para fora” e assim conseguir aumentar as minhas hipóteses. E, mesmo que o objetivo principal não se concretize, sei que estou a fazer o melhor por mim. Toda e qualquer mudança que faça nesse sentido será com certeza para melhorar o meu bem estar geral.

Encontrei então na aromaterapia não “A solução” mas um meio, uma ferramenta que me permitiria estar mais perto do que pretendo.

Por esta altura devem estar a perguntar: Então e já tiveste resultados? Bem, no que respeita a gravidez não… o objetivo da aromaterapia não é engravidar. É, como referi alcançar bem estar, encontrar equilíbrio. É parte de uma mudança, entre outras que devemos considerar, como refiro mais abaixo.

Há ainda muito a explorar neste mundo da aromaterapia e o meu foco é mesmo este de reencontrar o equilíbriofísico, mental e hormonal… de forma mais natural. Tem sido uma descoberta fantástica e com um verdadeiro impacto no meu bem estar! Já não me lembro da última vez que fui à farmácia!

Importa salientar que, como disse no início não há receitas mágicas e a mudança deve ser integral. Daí, a aromaterapia ser um complemento, parte de uma alteração gradual de um estilo de vida. Se, tal como eu, procuras esse equilíbrio na tua vida partilho algumas áreas a que deves dar atenção para uma mudança gradual mas efetiva:

  • Alimentação equilibrada
  • Exercício físico
  • Sono reparador
  • Meditação/Relaxamento
  • Terapias Alternativas
  • Paixão pelo que fazes
  • Mindset e Perspetiva de Vida

Em próximos artigos irei explorar um pouco mais estes tópicos…fica atenta para não perderes pitada e começares JÁ a viver a vida que realmente queres!

Também és curiosa e procuras soluções e diferentes alternativas para teres um estilo de vida mais natural?

Partilha nos comentários para que te possa ajudar a criar esse caminho.

6 passos que vão influenciar a motivação do teu filho

Diria que a motivação é um elemento chave para nos manter em movimento, para continuarmos a querer alcançar mais, para nos superarmos a cada dia.

Podemos falar de dois tipos de motivação, com resultados bem diferentes entre si. Por um lado, temos a motivação intrínseca e, por outro, a motivação extrínseca. A primeira é aquela que nos permite manter a auto motivação, que nos permite encontrar em nós próprios as respostas para continuarmos o caminho. Por sua vez, a motivação extrínseca prende-se com reforços externos como recompensas, elogios, presentes…

Ora, parece-me que em boa medida, estes dois tipos de motivação podem coexistir [quando usados no momento certo]. No entanto, desenvolver a motivação intrínseca dá à criança [e aos adultos também] a capacidade de se auto regular sem ser necessária intervenção externa. Faz sentido para ti este raciocínio?

Vamos então agora ver como podes ajudar as crianças a desenvolver a sua motivação em 6 passos simples.

1. Ajuda-a a descobrir quais são os seus sonhos e paixões

Quando temos algo que nos apaixona a nossa motivação aumenta. Temos um sonho, um foco a seguir e a recompensa natural será alcançar esse mesmo sonho.

Para ajudar a criança a ter esta visualização dos seus sonhos e paixões podes ajudá-la a criar um Mapa de Sonhos. Este mapa irá servir de farol para o caminho a percorrer. Irá ajudar a iluminar quando parece demasiado difícil ou quando esquecemos o porquê de estarmos naquele caminho. Para fazerem este mapa podem usar uma cartolina grande, recolher imagens que ilustrem os sonhos e objetivos a alcançar, adicionar desenhos e frases e… afixar num local onde seja visto diariamente. Além de ser uma atividade enriquecedora, será a base para os próximos passos.

2. Estabelecer objetivos e metas

Ora, se queremos alcançar um sonho é importante definir objetivos e metas intermédias para lá chegar.

Imagina uma montanha. Não será apenas por imaginares a montanha e te imaginares no topo da montanha que vais ser teletransportada para lá, certo? [a não ser que tenhas capacidades que desconheço e, nesse caso, partilha pois ia adorar trabalhar essa competência 🙂 ] Tens que percorrer o caminho até lá [seja lá de que forma for].

Enquanto adultos cabe-nos ajudar a criança a perceber como dividir em pequenos passos o grande objetivo.

Por exemplo: O objetivo da criança é aprender a andar de bicicleta. Possivelmente, se nunca andou de bicicleta, pode ser difícil andar perfeitamente na primeira tentativa que faz. Então visualizamos o caminho do topo da montanha até à base para perceber os passos que podem ser dados [não há receitas certas. Este mesmo objetivo de aprender a andar de bicicleta pode ser alcançado de variadas formas dependendo da realidade da criança]. Por exemplo, a criança já tem bicicleta? Vão comprar? Vão usar emprestada? E depois de ter bicicleta qual será o passo mais adequado?

E este é o exercício e caminho a ser feito com a criança. Vamos a isso?

3.Permite que a criança explore diferentes formas de resolução

Manter a motivação intrínseca pode ser um verdadeiro desafio. Daí ser importante permitir que a criança trace o seu próprio caminho, defina os seus objetivos e a forma como os vai alcançar. Ao sentir que está a fazer as suas escolhas a criança sente-se mais motivada e vai explorando diferentes opções.

Cabe ao adulto estar disponível para ajudar a criança caso necessite de novas ideias, no entanto sempre numa perspetiva de “fazer pensar” e não de dar respostas.

4. Presença e não mão de obra

Parece estranho, eu sei!

Podes sentir a tentação de elogiar e recompensar a cada passo dado ou a cada conquista alcançada. Ou até mesmo a dar respostas e soluções quando parece que a criança não está a conseguir. [Falo num ponto mais abaixo sobre os elogios e recompensas]

Recorda que disse no ponto acima que é importante que o adulto esteja disponível para auxiliar. São os sonhos do teu filho e ele vai adorar ter-te a fazer a caminhada com ele mas não vai ser benéfico [para nenhum dos dois] se o carregares ao colo toda a viagem. Podes sim, dar-lhe a mão e encontrarem juntos uma solução para o grande pedregulho que surgiu a meio da montanha.

Desta forma, possibilitas também que a criança desenvolva a sua auto confiança e auto estima.

5. Torna-o no professor

O teu filho vai fazer diferentes aprendizagens neste percurso e vai adorar poder partilhá-las. Seja com os adultos, seja com os amigos, primos ou irmãos. Esta posição de professor fará também com que possam surgir questões em que a criança ainda não tinha pensado.

Quando a criança te explicar o que está a fazer e te mostrar o processo, as dificuldades, as conquistas… ouve-o genuinamente e com atenção, coloca questões, convida à reflexão, sem impor o teu ponto de vista ou sugestões.

A criança pode, por exemplo, ensinar um amigo a criar o seu próprio Mapa de Sonhos ou a sua Montanha de Metas.

6. Menos recompensas. Mais reflexão

Referi anteriormente que as recompensas e elogios são uma forma de motivação extrínseca. Uma espécie de empurrão que damos à criança para continuar montanha acima. Agora repara, se a criança não conseguir encontrar o seu próprio ritmo para manter a caminhada vai estar sempre dependente dos teus empurrões. E quando lá não estiveres para empurrar, possivelmente encosta-se à sombra da primeira árvore aguardando que alguém dê o empurrãozinho. Faz-te sentido esta comparação?

Falarei sobre elogios e recompensas de forma mais detalhada noutra altura mas deixo apenas uma dica. Elogia o processo e não o resultado.

É diferente dizeres “Uau! Já viste o caminho que já conseguiste fazer sozinho? Como te sentes?” ou “Parabéns! Esse Mapa de Sonhos está tão bonito!”

Então, em alternativa aos elogios e recompensas desprovidas de conteúdo promove a reflexão. Convida a criança a ir um pouco mais além, a superar-se, a refletir sobre o percurso feito, a avaliar e reprogramar.

Qual vai ser o teu primeiro passo?

Se ajudar podes começar por receber um resumo deste conteúdo em pdf e bem fácil de ler para teres sempre à mão! Faz já o teu registo na nossa newsletter para não perderes todos os conteúdos!

Obediência. Sim ou não?

Este é um tema que me levou a refletir sobre o significado da palavra.

o·be·di·ên·ci·a

substantivo feminino

1. Cumprimento da vontade alheia.

2. Submissão.

3. Preito de homenagem.

4. Domínioautoridade.

5. Prioradoigrejamosteirogranjaetc., dependentes de uma ordem religiosa.

obediência passiva
• Submissão cega.

“obediência”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Num outro dicionário encontra-se a referência “Obediência é um substantivo que define a ação de quem obedece, de quem é dócil ou submisso. Uma pessoa que segue, cumpre ou cede às vontades ou ordens de alguém.”

Ora, o significado da palavra leva-me de volta à reflexão

“Será que queremos realmente crianças obedientes?”

Acredito que a resposta passa por capacitar as crianças para que …

🔸…colaborem
🔸…partilhem opiniões
🔸…sejam capazes de reconhecer e regular as suas emoções
🔸…conheçam as suas responsabilidades
🔸…conheçam os limites
🔸…distingam o certo do errado
🔸

Deste modo e de forma integral damos às crianças condições para “obedecerem” de forma natural, ou seja, respeitando também os seus limites e interesses. Ao mesmo tempo, damos espaço à criança para questionar ou apresentar pontos de vista que podem escapar ao olhar adulto.

Sem dúvida, que por vezes seria muito mais fácil [ou não] se as crianças fossem robots programáveis que fizessem tudo o que é pedido à primeira, que não questionassem a autoridade do adulto e que fossem tão obedientes como um “animal amestrado”!

Desculpa as analogias mas parece-me maior o impacto e assim mais fácil de transmitir este ponto de vista.

No futuro, como esperas que responda o jovem e adulto em que a

criança de hoje se vai tornar?

A. Seja obediente e faça tudo o que lhe mandarem sem questionar | Não seja capaz de dizer não | Seja influenciável e não consiga tomar as suas próprias decisões | Crie uma baixa auto estima.

B. Tenha a capacidade de questionar o que o rodeia | Seja capaz de dizer “não” quando não quer fazer algo ou não concorda com algo | Seja autónomo na tomada de decisões | Desenvolva uma auto estima saudável

Concordas ou tens uma opinião diferente sobre este assunto? Partilha para discutirmos diferentes pontos de vista.