11 dicas para uma entrada no jardim de infância mais tranquila

Para muitas famílias amanhã (re)começam as rotinas escolares! É o caso na tua família?

Hoje a partilha é para aqueles que vão ingressar o pré-escolar pela primeira vez.

Há muitas dúvidas e por vezes inseguranças tanto por parte dos pais como das crianças. Como irá reagir? Será que se vai adaptar? É todo um novo mundo e é normal surgirem todas estas questões. É o teu caso?

Vou então partilhar 11 dicas para facilitar a adaptação ao jardim de infância:

1 – Opta por deixar a criança apenas meio tempo (até à hora de almoço) se tiveres essa opção. À medida que a criança se vai ambientando este período de tempo vai sendo alargado.

2 – Conversa com a criança e explica-lhe como vai ser o dia dela para que saiba com o que contar e sinta maior segurança.

3 – Se não foi feito previamente, mostra à criança as instalações no primeiro dia.

4 – Não mintas! Se só a vais buscar ao final do dia não digas que “já vens”. Explica a rotina, os momentos do seu dia e em que momento a vais buscar (por exemplo: “agora vou trabalhar e tu vais divertir-te e brincar muito com os teus amigos. Depois vais almoçar e depois de brincares mais um pouquinho eu chego e podemos ir/fazer…”)

5 – Se houver essa possibilidade, fica algum tempo na sala com a criança para uma adaptação gradual.

6 – Faz uma despedida calma e sem pressas. Se for necessário sai de casa com mais tempo de antecedência para poderes dedicar um pouco mais a este momento.

7 – Não saias quando a criança está distraída. Pode fazer com que se sinta abandonada e despertar sentimentos de desconfiança.

8 – Após a despedida segue o teu caminho sem voltar atrás! Vai ser difícil nos primeiros tempos se a criança ficar a chorar mas gradualmente ganhará a confiança necessária para te dar um beijo de despedida e seguir para junto do grupo.

 

9 – Possibilita que a criança leve consigo um objeto de que gosta (um boneco, um pano/fralda, um jogo/brinquedo). Esse objeto permite uma transição gradual entre o espaço conhecido e o novo ambiente – daí serem chamados de objetos de transição.

10 – Criem um símbolo de ligação entre vocês para que a criança possa ter uma referência familiar durante o dia (uma pulseira, uma “tattoo”, uma t-shirt igual que usam nesse dia, um lenço…)

11 – Lê à criança histórias sobre o jardim de infância. Encontras várias mas hoje deixo esta como recomendação: “Matilde vai para o Jardim de Infância”.

NOTA: Todas as crianças, todas as famílias, todas as instituições e todos os profissionais são diferentes. É importante perceber e adaptar às circunstâncias 🙂

Podes também gostar destas sugestões de leitura para outros momentos!

Comer bem é possível!

Na correria do dia a dia por vezes parece um desafio manter rotinas saudáveis. É importante criar hábitos que se adequem ao teu estilo de vida e às tuas rotinas. Desta forma, tudo fluirá mais facilmente.

Como são as manhãs aí em casa? E os lanches para os mais pequenos?

Para ajudar nestes momentos partilho dois livros com que me cruzei e me parecem muito úteis se estás grávida, tens bebés pequenos ou crianças mais crescidas! A alimentação é essencial para uma vida equilibrada e teres receitas práticas, rápidas e saudáveis sempre à mão é, sem dúvida uma mais valia! Concordas?

“Comer bem, Crescer Saudável” é a proposta das autoras Joana Appleton Figueira – pediatra de renome – e Joana Moura, chef e autora. Este livro pretende ser uma ajuda para as famílias que procuram uma forma de promover a saúde dos seus filhos.

Aqui podes encontrar informações nutricionais dos alimentos, abordagem à introdução alimentar no primeiro ano de vida e sugestões de receitas para pequeno almoço, snacks e lanches, almoço e jantar e até dicas para uma festa de aniversário saudável! Parece-me muito completo e útil para quem quer iniciar e saber mais sobre como proporcionar uma alimentação saudável aos seus pequeninos.

 

A segunda proposta é o livro “A comida dos miúdos cá de casa” da autora Ágata Roquette.

Na sinopse da Wook pode ler-se “A nutricionista Ágata Roquette, mãe de dois rapazes com sete e cinco anos, dá-lhe conselhos e dicas simples e práticas para melhorar a alimentação dos seus filhos, entre eles os alimentos a consumir e os alimentos a evitar, como deve ser o dia a dia alimentar das crianças e as suas necessidades nutricionais quando fazem desporto ou estão em época de testes (…) Mas como também ela tem em casa esta batalha por alimentação mais equilibrada, partilha consigo as receitas da sua cozinha, que vão fazer as delícias dos seus filhos. Nada de ingredientes esquisitos, difíceis de encontrar no supermercado. Basta fazer um uso mais inteligente da sua despensa. Torradas de batata-doce ou papas de aveia com fruta para começar o dia com energia, bolachas de aveia ou barras de cereais para o lanche, uns chips de curgete para aquele momento antes do jantar em que nos dizem que estão esfomeados, uns douradinhos de sementes ou uns hambúrgueres de salmão ou leguminosas feitos em casa, com a ajuda dos mais pequenos.”

Parecem-te boas sugestões? 🙂

O médico do futuro não vai curar o corpo humano com medicamentos, mas vai curar e prevenir doenças com a nutrição. |Thomas Edison|

Deixo também o Top Vida Prática da Wook para tornares a tua vida mais leve!

Comunica com Sucesso

Gostavas de mudar a comunicação com os teus filho melhorando a vossa relação e, ao mesmo tempo, a auto estima da criança? Enquanto adulto, consideras que teria sido mais fácil criares e manteres uma boa estima se te tivessem sido facultadas ferramentas enquanto criança?

Ao longo da tua vida já deves ter ouvido frases como “És sempre a mesma coisa”; “Nunca fazes nada de jeito”; “Por tua causa vamos chegar atrasados”; “Com o teu irmão não era nada disto”…

Que impacto achas que estas afirmações têm numa criança eu está a criar a sua personalidade e identidade? O modo como os adultos se relacionam com a criança vai influenciar a forma como ela se relaciona consigo mesma. Uma criança que ouve constantemente este tipo de frases acaba por acreditar que não é suficiente, que é culpado pelo que acontece aos outros que o adulto não gosta dele…

Já pensaste no impacto deste pensamento na criança a médio e longo prazo? O que podes fazer? Vou partilhar três dicas que podes usar!

#1 – Dá poder de decisão à criança Deixa que faça escolhas e exprima a sua opinião. Pode escolher a roupa que vai vestir, a ementa para o jantar, quando prefere fazer os trabalhos de casa, que amigos vai convidar para a festa de aniversário… Que decisões deixas o teu filho tomar?

#2 – Dá responsabilidade à criança Podem ser pequenas tarefas em casa como fazer a sua cama, ajudar o irmão mais novo a fazer os trabalhos de casa, pôr a roupa na máquina, pôr a mesa… Para facilitar podem usar um quadro de tarefas ou rotinas familiares. Conversem em família para definir e distribuir as tarefas por todos os membros. Estas tarefas não devem ser uma obrigação ou usadas como castigo. Neste caso a criança passa a associar aquela atividade a algo mau e provavelmente irá criar resistência. Ao assumirem responsabilidades, as crianças sentem-se mais competentes, independentes e reconhecidas. Isso será uma mais valia para o desenvolvimento da sua auto estima. Neste ponto, grande parte das vezes, a resistência está no adulto. Seja porque tem medo que a criança estrague alguma coisa, que não fique bem feito, que se magoe… que cresça! Confia! A criança está a crescer e a aprender. Aprendizagem que só ocorre com a prática, com a experiência. Vão haver erros? Com certeza! Se se vão magoar? Talvez. Se vais olhar para a cama feita e ficar com dúvidas se foi feita? Possivelmente J Faz parte do processo de aprendizagem e do crescimento.

#3 – Proporciona momentos de aprendizagens novas e úteis Sejam tarefas em casa, sejam interesses da criança. Experimenta perguntar ao teu filho “O que gostavas de aprender a fazer?”. Pode ser preparar o pequeno almoço, fazer a cama, dobrar a roupa…ou interesses, por exemplo, pelo meio natural: conhecer as flores, insetos, animais… Façam um passeio no parque, vão à biblioteca, pesquisem na internet ou junto de amigos e familiares. A criança estará a aprender conceitos novos, a desenvolver competências e vai sentir-se compreendido. Pronta para arrasar?!

Mariana, a tua Life Designer